Cartoon-Emo-Valentines-Day-Wallpapers
Reflexão

Sozinhos no dia dos namorados

Esta é a semana do Dias dos Namorados, todos animados? rs. Bem propício falarmos sobre isto. Não para discutirmos um relacionamento, mas quero falar sobre as pessoas que movem mundos e fundos para ter um namoro ou manter um, custe o que custar.

Eu sei que ser jovem e não ter um namorado te faz ser uma espécie de alienígena, principalmente nos ajuntamentos familiares. Ah sim! Ainda mais se os primos, amigos, conhecidos da sua idade já se relacionam por aí. A maneira pouco importa, o importante é se relacionar. Aquela perguntinha básica e com um tom de pressão, sempre surge: Está namorando? Já encontrou alguém? Blá, blá, blá? Não estou dizendo que todo mundo deprime por causa desse tipo de pergunta, nunca liguei, mas será que é só isso que importa?  Não dá para perguntar sobre outras coisas relacionadas ao outro?

Não estou fazendo um desabafo a fim de provar que estou bem com ou sem um namorado, porque se fosse esse o motivo do meu texto, já estaria claro meu estado emocional abalado. Ahaha! No entanto, eu conheço uns e outros por aí que ficam péssimos porque não têm alguém para namorar.

Alguns me dão uma espécie de pena, não exatamente, porque pena mesmo é um sentimento que dificilmente surge em mim.  São pessoas que procuram incansavelmente uma companhia, o resultado disso, você bem sabe: vivem quebrando a cara, decepcionadas, frustradas e sozinhas. Não poderia ser diferente quando se troca de relacionamento como se troca de roupa.

Essa busca por um relacionamento acaba causando uma vulnerabilidade. Ela  torna-se mais frágil, exposta e propensa a cair em meia dúzias de palavras bonitinhas e mais uma vez mergulhar em algo que não lhe fará bem.

Quem está sozinho, pode aproveitar o tempo de uma maneira, que talvez, quando está num relacionamento, ficaria mais difícil. A pessoa sozinha (ficou meio deprê, mas solteiro é estado civil, né? rs), tem a oportunidade de dedicar-se  profundamente seu amor aos amigos, familiares, se desenvolver mais no trabalho, nos estudos, e tantas outras coisas. Dessa forma, é possível levar a vida de forma comprometida e não solitária. (Solidão é um tema complexo, embora algumas pessoas a vejam como algo extremamente ruim, eu vejo mais coisas positivas nela, mas isso é assunto complexo e quem sabe para uma outra conversa.)

Embora seja clichê o “para tudo há um tempo”, não deixa de ser verdadeiro e aplicável. A menos que você esteja morrendo de amores (então te aconselho a morrer logo), direcione o alvo, foque em coisas novas, ou até mesmo em velhas, mas com um olhar novo. Ocupar-se é muito bom, melhor ainda é estar suficientemente ocupado, de tal maneira, com projetos, planos, sonhos e ações, que os outros não terão tempo de te fazerem a perguntinha chata, que você não quer responder.

Agora, se o foco é arrumar um namorado (a), tomara que não encontre mesmo. Detesto gente desesperada!

Para refletir: Não tenha medo da solidão, nem seja demasiadamente chato a ponto de não se aturar consigo mesmo.

Escreva um comentário