Trailer-de-Malévola_18.03.2014_01
Reflexão

O sentimento que apodrece os ossos

Olá, pessoal!
Nesses últimos dias eu vi algo que me levou a refletir sobre um sentimento, que eu duvido que você já não vivenciou: Inveja.

A inveja corrói a alma, aprisiona a alegria e  aumenta a infelicidade. Conturba o coração e também o entristece. O invejoso não é feliz, é dominado pela superioridade. Julga-se melhor que o próximo, justifica-se para si mesmo o porquê de ser merecedor daquilo que inveja. Ela também vira obsessão, foco de vida e motivo de destruição. Apodrece os ossos no sentido literal da palavra, pois muitas pessoas adoecem por conta dos sentimentos ruins que guardam profundamente dentro de si.

Inveja branca não existe, não tem como amenizar algo que só faz mal as pessoas. Quem te admira pelo que você é, simplesmente assume que admira. Quem fica feliz com suas conquistas,  mesmo desejando-as para si, te felicita por elas, pois são tuas e ponto. É tudo simples, os sentimentos são evidentes, nós que temos dificuldade de enxergá-los e interpretá-los.

Já passou por uma situação na qual você toda animada, foi mostrar uma roupa, um sapato, uma bolsa para aquela amiga e ela simplesmente te joga um balde de água fria: “Nossa que estanho!” “Ah! Não achei tão bonito!” e de repente, ou nem tão de repente a fulana aparece com a roupa igual a sua, o sapato igual o seu?

Em alguns casos, fica até engraçado, porque pode-se perceber que o máximo que ela conseguiu foi uma aproximação daquilo que você tem numa versão fuleira. Estou dando exemplos de coisas supérfluas, contudo é lamentável quando alguém tem inveja daquilo que você é, do relacionamento que você tem ou da vida que você leva.

Eu ouço muito por aí as pessoas dizerem que se fulano é teu amigo, não tem inveja, só quer teu bem e se alegra com ele. Ok! Teoricamente é para ser assim, mas o que fazer quando você tem uma pessoa bem próxima, uma amiga por exemplo, que você gosta, admira e está sempre contigo? Não significa que essa pessoa não goste de você, pode ser o que eu chamo de “inveja oculta”. Isso mesmo, muitas vezes a pessoa nem se dá conta que ela sente inveja.

Quando percebemos que uma pessoa é invejosa, mas ela não é tão próxima de nós, é sempre mais fácil, simplesmente nos afastamos dela. No entanto, quando por um motivo ou outro, isso não é possível, o que fazer? Não tem jeito! A amizade sempre balança!

Como sou limitada, posso apenas dizer por mim, como eu reajo nessa situação. Talvez o que eu digo, sirva para você, ou não. O fato é que a minha amizade pela pessoa balança. Não sou radical, mas com certeza aquela pessoa não terá mais de mim, as confidencias, os desabafos, tampouco irei compartilhar com ela aquele momento fútil da compra do sapato ou da bolsa nova. E quando ela reclamar a ausência dessas pequenas coisas, sempre direi com um sorriso amigável que é a correria do dia a dia, a falta de tempo e assim, provavelmente quando ela se der conta que a amizade esfriou, foi porque ela também está na correria o dia a dia.

O tempo é mestre da sabedoria, e com ele aprendi que pessoas invejosas sempre existirão e isso nunca irá mudar. O que muda é como isso me afeta e como eu me posiciono diante de tais circunstâncias. Sendo assim, quero te dizer que nenhuma inveja pode te deixar para baixo, nenhuma palavra negativa terá o poder de te fazer desanimar. Acredite que o bem sempre vence.

Como estou falando do meu ponto de vista, acredito muito mais na força e no poder de Deus para me proteger de toda inveja, do que no olho gordo que alguém possa me lançar!

Beijos, Patrícia.

Escreva um comentário